Ínicio / Cultura / Por que a vida contemporânea parece tão acelerada?

Por que a vida contemporânea parece tão acelerada?

Veja os fatores que mudaram nossa relação com o tempo.

A sensação é de estar num trem-bala. Um olho na reunião, outro no WhatsApp, o email que pisca na tela, a notificação que apita. E é tudo para hoje, para já, para ontem. Se não se pode conter o progresso, então não há nada a fazer contra a aceleração. Será?

O discurso atual é, sim, de que precisamos nos adaptar a um fenômeno que seria irreversível diz o francês Christophe Bouton, professor de Filosofia da Universidade de Bordeaux Montaigne e autor do livro “Le temps de l’urgence” (“O tempo da urgência”, em tradução livre).

Daí a angústia quando não conseguimos acompanhar essa aceleração. No capitalismo, o tempo é racionalizado ao extremo, e um segundo ganho pode fazer diferença. Então, primeiro, otimizamos o tempo no trabalho. Depois, trazemos essa otimização para fora dele. E nos sentimos culpados até se não usamos ao máximo nosso tempo livre.

A urgência como modelo de gestão do tempo é um conceito que remonta ao fim do século XVIII. Mas, de tão absorvido no nosso cotidiano, parece ter virado algo inerente ao ser humano. E tudo piorou com computadores e smartphones, que facilitaram a invasão das esferas. Por emails, redes sociais, aplicativos, o trabalho chega à nossa casa, os amigos pipocam no escritório, a família nos encontra em qualquer lugar.

Eis aí um dos grandes paradoxos da tecnologia: ao simplificar tarefas, ela nos prometeu liberdade. Mas estamos todos produzindo mais e mais no mesmo tempo. Entramos no ritmo acelerado das máquinas, como argumenta a filósofa e professora titular da Escola de Comunicação da UFRJ Maria Cristina Franco Ferraz. Até nossos corpos, ela diz, estão se tornando cada vez mais “compatíveis” com os modos de produção.

Autora do livro “Ruminações: cultura letrada e dispersão hiperconectada”, ela chama atenção para os efeitos que o estilo de vida contemporâneo, crescentemente online, non-stop e hiperconectado, têm sobre a experiência humana.

Isso achata a medida do tempo  diz Maria Cristina. Há uma espécie de fragmentação excessiva do nosso desejo e atenção, que pouco consegue pousar sobre as coisas. Se estamos sempre online, estamos sempre capturados.

A aceleração intensa na vida contemporânea já seria, assim, uma ameaça concreta à reflexão. É como se fôssemos uma locomotiva em disparada sem pausas para pensar no que estamos fazendo, diz o antropólogo Orlando Calheiros. Ao estudar os aikewara, grupo indígena que habita a região sudeste do Pará, ele percebeu um contraste evidente entre eles e nós: quando novas tecnologias são incorporadas às rotinas dos índios e aceleram seu trabalho, eles não usam o tempo que ganham para produzir mais tarefas.

Eles o preenchem com ócio e com aquilo que faz a vida valer a pena lembra Calheiros. Uma vez garantido o sustento da família, produzem música, pintura, festa, coisas que são características da sua mito-filosofia e que lhes permitem especular sobre o universo e o cosmos.

Mas de onde vem toda essa rapidez? Professor do Departamento de História da UniRio, Rodrigo Turin vê a aceleração do tempo como um fenômeno central das sociedades contemporâneas. Autor do livro “Tessituras do tempo”, o historiador acredita que a confluência das tecnologias digitais e do capital financeiro globalizado acelerou nossas vidas de tal maneira que afetou a política, a economia, o trabalho e mesmo nossas subjetividades.

Essa onda se reflete até no vocabulário. “Flexibilidade”, “eficiência”, “excelência” passaram a expressar nossa experiência diz Turin. É uma temporalidade sem finalidade, um movimento sem direção determinada.

Nossas diferentes percepções do tempo sempre intrigaram pensadores e cientistas. “Se ninguém me pergunta o que é o tempo, eu sei o que é. Mas se desejo explicar o que é para alguém que me pergunta, não sei responder”, escreveu o teólogo Santo Agostinho, antigo estudioso do assunto. Há, no entanto, várias maneiras de o medir de forma objetiva.

A rotação e a translação da Terra, a oscilação de átomos estáveis, como quartzo, rubídio etc. Ou, em laboratório, com a frequência de luz de lasers  explica Horácio Dottori, professor do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Objetivo ou subjetivo, o tempo é o que se faz dele. O importante, alertam estudiosos e artistas, é que isso seja fruto de escolhas. O trem-bala pode até seguir a toda, mas com consciência. Ou confirmamos a impressão que os aikewara têm de nós.

Para eles, somos zumbis que não saem do computador e só conseguem fazer a mesma coisa diz Calheiros.

Fotógrafo argentino, autor de “A flecha do tempo”, 

“O registro fotográfico é uma ferramenta muito útil para representar graficamente a passagem do tempo. O fato de que hoje todos carregamos uma câmera o tempo todo e estamos compartilhando nossa atividade diária é algo extraordinário. Pergunto-me qual o valor, a longo prazo, desta forma de fotografar nossa memória. Há um ato consciente do registro, mas, ao mesmo tempo, a avalanche de imagens faz tudo aparecer e não destaca nada.”

Autor do livro de contos “Veja se você responde essa pergunta”

“Não tenho dúvida de que a aceleração mudou a forma de pensar dos escritores. Não à toa, estamos vendo uma queda no mundo todo dos livros de ficção e um crescimento dos de não ficção. Como o tempo da escrita de um romance é demorada, o romancista costuma ter medo de que sua ficção seja pega no contrapé dos acontecimentos. Eu mesmo estava escrevendo um romance que acabou mudando quando começaram as manifestações de junho de 2013.”

Diretor da Armazém Companhia de Teatro

“A apresentação teatral pode ser uma válvula de escape para a lógica temporal mercantilista que é incutida cada vez mais nas pessoas. O teatro tem o poder de deslocar a percepção do espectador. O tempo dentro da sala escura do teatro é um tempo que você não tem preocupação de medir. É como um sonho, não tem duração. Mesmo diante da pressa excessiva e da impaciência que caracterizam nossos tempos, as plateias ainda se entregam a essa experiência.”

Artista plástica, com obra marcada pela reflexão sobre o tempo

“A arte requer o tempo de ver: quem está diante de uma obra precisa estar envolvido de corpo inteiro. Não é apenas o tempo da contemplação, mas também o tempo de doação do artista. Durante um ano, procurei todas as vezes que a palavra “temps” (tempo) aparece nas milhares de páginas de “Em busca do tempo perdido”, de Proust, e as carimbei. O carimbo pode ser um símbolo da minha presença, mas também pode falar do nosso tempo burocrático.”

Fonte: Jornal O Globo

 

Além disso, verifique

Conheça a história por trás da pena de ouro usada há 130 anos na abolição dos escravos

Pena usada em 13 de maio de 1888 para assinar a Lei Áurea pesa 13 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *