Ínicio / Brasil / ‘Distritão’, Reforma política mudará sistema para escolha de eleitos. Entenda como será

‘Distritão’, Reforma política mudará sistema para escolha de eleitos. Entenda como será

Congresso estuda mudar sistema para escolha de deputados federais, deputados estaduais e vereadores.

Reforma política

A comissão da Câmara que analisa a reforma política aprovou nesta quinta-feira (10) uma emenda que estabelece o chamado “distritão” para a escolha de deputados federais, deputados estaduais e vereadores. A comissão ainda não terminou de analisar essa proposta, que passará também pelo plenário da Câmara (votação em dois turnos) e pelo Senado. Mas vale entender o que está em discussão e o que mudaria em relação ao sistema atual.

TiriricaUm tiro no “efeito Tiririca”

‘Distritão’

Como funciona o sistema

  • Cada estado ou prefeitura vira um distrito eleitoral.
  • São eleitos os candidatos mais votados.
  • Não são levados em conta os votos para o partido ou a coligação.

O que muda na prática

  • Torna-se uma eleição majoritária, como já acontece na escolha de presidente da República, governador, prefeito e senador.

Quais são os possíveis efeitos

  • O modelo acaba com os “puxadores de votos”, candidatos bem votados que garantem vagas para outros integrantes da coligação.
  • Campanhas individuais podem ficar mais caras.
  • Pode acontecer de apenas os candidatos mais conhecidosconseguirem se eleger.
  • Pode ser mais difícil o surgimento de novos nomes na política.
  • Proporcional com lista aberta – sistema atual

    Distritçao 2

    Como funciona o sistema

    • O eleitor vota no partido ou no candidato.
    • Os partidos podem se juntar em coligações.
    • É calculado o quociente eleitoral, que leva em conta os votos válidos no candidato e no partido.
    • Pelo cálculo do quociente, é definido o número de vagas que cada coligação e cada partido terá a direito.
    • São eleitos os mais votados das coligações.

    Efeitos de tipo de votação

    • Existem os “puxadores de votos”, candidatos bem votados que garantem vagas para outros integrantes da coligação.
    • Exemplo de “puxador de voto”: em 2010, o humorista Tiririca (PR-SP)recebeu 1.353.820 de votos, o que beneficiou candidatos de sua coligação. O último eleito da coligação, Vanderlei Siraque (PT), e o penúltimo, Delegado Protógenes (PC do B), obtiveram cerca de 90 mil votos cada um. Ficaram de fora candidatos de outras coligações que tiveram muito mais votos.
    • O foco de muitas campanhas fica nas propostas dos partidos, e não de candidatos individuais. Isso significa menos gastos.

    Redetv
    Fonte: Portal G1

 

Além disso, verifique

Kim 4

Coréia do Norte ameaça Estados Unidos com um “ataque sem piedade”

Jornal governista norte-coreano diz que exercícios militares ‘serão como jogar gasolina na fogueira’ em momento ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *