Ínicio / Saúde / Conheça o mayaro, novo vírus transmitido pelo Aedes aegypti

Conheça o mayaro, novo vírus transmitido pelo Aedes aegypti

O vírus mayaro, identificado pela primeira vez em 1954.

2016-92023512

Primeiro, a dengue. Depois, a zika e a chikungunya. Se não bastassem essas doenças que deixam os brasileiros em estado de alerta, outro vírus vem agora dando sinais de preocupação até para cientistas. O vírus mayaro, identificado pela primeira vez em 1954, existia, a princípio, em regiões silvestres aos redores da Amazônia. Mas, nas últimas semanas, pesquisadores da Flórida o identificaram no Haiti, em um menino de 8 anos, com febre e dores abdominais. Concluiu-se, então, que este pode estar se espalhando pelo continente.

O grande problema é que o vírus, possivelmente, tenha se adaptado. Antes, era transmitido por mosquitos vetores silvestres e, agora, pode ser passado por mosquitos urbanos já espalhados pelo mundo: o Aedes aegypti, principalmente, e o Aedes albopictus. Se isso se confirmar, há muitas razões para se preocupar, uma vez que o Aedes está presente em todo o território nacional. O vírus provoca uma doença semelhante à chikungunya, a febre do mayaro.

Pelo quadro clínico pode ser difícil diferenciá-las. O diagnóstico exato é feito apenas por exames laboratoriais específicos. No menino de 8 anos do Haiti, por exemplo, suspeitou-se, inicialmente, de dengue ou chikungunya. Mas os testes deram negativo e o de mayaro, positivo.

Ainda que o vírus não seja totalmente desconhecido, até agora só haviam sido registrados pequenos surtos esporádicos na região amazônica e em seus arredores.

17

Para transmitir uma doença, o Aedes tem que picar primeiro uma pessoa contaminada para depois picar uma suscetível. Parece impossível “pegar” uma destas doenças, em se tratando de um mosquito de 0,5cm de comprimento, mas a realidade prova o contrário.

1-1-768x108Fonte: Jornal Extra

 

 

Além disso, verifique

2ww

‘Beber socialmente’ já é suficiente para danificar o cérebro

Consumo moderado de álcool danifica o cérebro, aumentando em 3 vezes o risco de danos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *